domingo, 27 de dezembro de 2009

76 - Canção de tristes tópicos

Não dá para seguir-te ao tempo
Untar-me de pueril reminiscência

Deslocar a sintaxe de todo corpo
Ao propósito vil de um desencanto

Ser linguagem da carne e na pele
Equilibrando a intempérie do gesto

Não dá para seguir-te ao tempo
Ser tolo desvario da insensatez

Desfazer-me em tristes alegorias
E contemplar um pálido alvorecer

4 comentários:

Mai disse...

Um belo canto de um dolente desencanto.
Você cria imagens com suas palavras.
Parece um projetor de um cinematógrafo.
Obrigada!

cheiro

Anônimo disse...

Pois eh, Poeta..:-(

Lara Amaral disse...

Lindo poema!

Gostei muito de conhecer aqui.

Karinne Santiago disse...

Se desfeito...difícil retorno do laço.

Beijos!!!