terça-feira, 29 de dezembro de 2009

78 - Poema da língua

Carrego comigo as reticências
As aparências, as reentrâncias
Tenho orgulho de toda palavra
Que me chega e que me clama
A insuspeita confissão do amor

4 comentários:

Moacy Cirne disse...

Poemalíngua
Poemalinguagem
Poema que viaja pelas
palavras.

Abraços.

nina rizzi disse...

nossa, Assis, isso aí é o alumbramento, o que dizia: maravilha das maravilhas... um beijo.

Mai disse...

Que coisa linda o amor pela palavra. "...A língua é minha Pátria e eu não tenho Pátria, tenho mátria e quero frátria..." Você é veneno e vacina - concentra intensidade, sensibilidade e poesia.
Lindo, muito, muito.

E retribuo tuas palavras e o privilégio do encontro de palavras.
Bom 2010 prá ti e para todos a teu redor.

Anônimo disse...

...
Alumbre. ❤️❤️❤️❤️❤️
Lindo!!!!!