quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

72 - Ode nada gentil

É noite quando deparas com este vazio
E sucumbem teus gestos em alvorada
Soluçam almas tristes e gentis na alcova
E o pálido véu cobre a urbe em desvario

2 comentários:

Mai disse...

E há uns que choram ao perceber da pele o frio.

Um bom Natal, amigo

nina rizzi disse...

a alcova é triste. puxa, que triste.

mas há felicidade:
é noite quando me deparo com a caixa de correio cheia
meus gestos, afoitos, soluçam um ulisses
e minha cara pálida se ilumina, pinturifica, no supermercado.

obrigada, Assis, vou devorá-lo agorinha mesmo.

Um beijo.