sexta-feira, 17 de setembro de 2010

340 - improviso galante para a senhora que passa ao largo

o que havia de palavra em ti
o silencio comeu lentamente
agora és somente carne e desejo
a lamber os dias em atônito coito

23 comentários:

Mulher na Polícia disse...

Não tem mesmo que dizer palavra,
mas às vezes elas têm autonomia... são como gemidos.

Beijinho!

Mulher na Polícia disse...

Não tem mesmo que dizer palavra,
mas às vezes elas têm autonomia... são como gemidos.

Beijinho!

Angélica Lins disse...

Silêncio comendo palavras...
[isso foi extremamente instigante]

E a mente viaja...
Beijos meus.

Wanderley Elian Lima disse...

Tem silêncio que fala mais que palavras, e atos que não precisam de palavras.
Abração

Feeling what the other feels disse...

Vou vivendo entre silêncios que gritam. E ações que dispensam palavras. Um ótimo dia pra ti querido Assis. Bjo.

Oria Allyahan disse...

Que cavalheirismo avassalador!!
Tô espantada!

^^

Domingos Barroso disse...

Carnal silêncio
desperta endiabrado
enlace de corpos
...

Assis, camarada
versos rasantes!

Forte abraço.

Luiza Maciel Nogueira disse...

está em fase de galanteios poéticos!!

beijos

Mirze Souza disse...

Assis!

Entendo de silêncios, mesmo quando falta a palavra, ele grita.

O poeta é galante, bom para os olhos e para a alma!

Beijos

Mirze

Lídia Borges disse...

Do improviso das palavras perdidas à perdição sem palavras!

L.B.

NãoSouEuéaOutra disse...

o silencio pode comer a palavra, e ainda assim, existe algo possível a linguagem gestual que nenhum silencio derruba só a paralisia das mãos...

Seus versos curtos são campos cheios de trigo, quando o sol poisa sobre eles, fica-se na incerteza se não serão de Ouro!!

um abraço

Solange disse...

sim... o poeta é galante, mas há mais nas entrelinhas... há o desejo.... e acho que foi ele que comeu as palavras....

lindo.

beijo

Solange disse...

sim... o poeta é galante, mas há mais nas entrelinhas... há o desejo.... e acho que foi ele que comeu as palavras....

lindo.

beijo

Gerana Damulakis disse...

E as palavras são necessárias...

E que título!!!

dade amorim disse...

Você é incrível, Assis.
A cada dia uma surpresa melhor que a da véspera.

Beijo.

Fernand's disse...

atônito coito... daqueles que deixa de perna bamba. bom. bom demais.


gostei muito das tuas benditas palavras.
bjs meus

INVENTADAS VERDADES disse...

"a lamber os dias em atônito coito"
Bela imagem revelada nessas palavras. Apesar do silêncio, a mente flui...

Obrigada pela visita!
bjs

Anônimo disse...

...

Lou Vilela disse...

Silêncio que abocanha e entorpece. ;)

Lau Milesi disse...

Uau, que poema maduro!![rs] Para se ouvir no silêncio. Lindo!
Beijo, poeta.

Lara Amaral disse...

Intenso...

Beijo.

Lua Nova disse...

Um galanteio cheio de silenciosa fome...
Beijokas.

Mai disse...

Comer com os olhos e lamber os beiços.

Maravilhosa cena!
Adorável poema.


mais cheiros