terça-feira, 3 de maio de 2011

572 - canção de espera para a natureza das pedras

há de provir o tempo para que eu plante e germine
as auroras que buscam despertar os prodígios
enquanto o rio corre em mansidão pelos vales
e as pedras comedidas banham-se em letargia
há de provir o tempo para que eu plante e germine
o visgo precioso da centelha que aflige eletrizada

17 comentários:

Angélica Lins disse...

Sempre bom passar por aqui pela manhã. =)

AC disse...

O porvir ainda desperta novos alvores. Ainda bem.

Abraço

Everson Russo disse...

Que tudo germine ao seu tempo nesse jardim de vida..abraços de bom dia.

Tania regina Contreiras disse...

Ai, ai....saudades dessas pedras que se banham letárgicas, só você. E eu ando aqui, tentando voltar, estou tentando...
Beijos,

Fred Caju disse...

Sim, há de provir! Muito bom, Assis. Abraços.

Sandra disse...

No porvir, provirá o tempo.
Beijinho

Luiza Maciel Nogueira disse...

que cresçam as árvores, as plantas, as flores do jardim - que cresçam!

bjs

Wanderley Elian Lima disse...

Tudo requer tempo e paciência, mas acaba acontecendo.
Abração

Sam disse...

há de provir
de se seguir no tempo
as estações porpícias pra se descobrir semente
semear
germinar e colher
tanto das flores
quanto das dores, ainda assim, necessárias.

Meu carinho, Assis.
Samara Bassi.

Cris de Souza disse...

há de provir
um solo
a dois

beijo, mestre!

Helô G.K. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ingrid disse...

o tempo que nos permite e nos omite.. a espera lenta se faz..
beijo poeta querido.

dade amorim disse...

Pedras humanizadas, que bonito.
Beijo.

Vanessa Souza Moraes disse...

E que esse tempo não demora muito...

Carla Diacov disse...

o visgo! o visgo!


imenso!


beijo grande!

Jorge Pimenta disse...

ah, bendito tempo-mãos!
abraço!

Ira Buscacio disse...

Tempo, tempo, tempo! ele chega...
Bjão, Assis querido