quinta-feira, 29 de julho de 2010

290 - os versos que se hão de cumprir


Faço coito nas palavras para
sentir-lhes as entranhas
do verbo

23 comentários:

Fred Caju disse...

Nada como transar com a poesia!

Primeira Pessoa disse...

rapaz,
tava me lembrando de um papo entre mineiros do interior, aqui, semana passada.
falávamos da iniciaação sexual na roça lá pelo meio do século passado, e que era comum (mesmo sendo bizarro) o "primeiro amor" de um moleque da roça ser uma egüinha barranqueira...rs

aí, um de meus amigos me disse que tinha um tio que, fosse computada cada eguinha que passara pelo "seu barranco", poderia ter "montado" uma tropa maior que a do coronel ludugero...rs


então,
disso de transar com as palavras(trepar, foder, fornicar ... acho... "fazer amor" um termo roberto carlos demais...)... sim, deste termo...

cê é um galinha, assis.
e elas se arrastam aos seus pés e isto te dá imenso prazer, que eu seu.
eu sei.

beijão
r.

Everson Russo disse...

Isso sim é fazer amor com a poesia...abraços de bom dia.

VIEIRA, Vanessa Gonçalves disse...

Fantástico! O post e os comentários! Assis e 1ªPessoa,
Já admirava vocês pela habilidade que têm com as palavras e sinceramente estava tentando entender de onde elas - as habilidades- vinham! Acho que encontrei o motivo né caro Assis?! Fantástico isso de - no meu caso- fazer amor com as palavras! Adorei! Abraços!

VIEIRA, Vanessa Gonçalves disse...

Anh! depois vai lá no blog dá uma olhadinha no que essa conversa toda fez com meus pensamentos! rsrs Abraços http://pensamentosvalemmaisqueouro.blogspot.com/

Andrea de Godoy Neto disse...

bom, assis, e se as palavras engravidam, isso pode explicar de onde vem tanta poesia

cheio de palavrinhas filhas soltas por aí ;)

beijo

Mirze Souza disse...

É uma idéia, Assis!

Resta a permissão da palavra. Vale-tudo em poesia!

Beijão

Mirze

Ana SS disse...

A palavra nos permite fazer quase tudo.

Primeira Pessoa disse...

pegando uma carona no post da Ana SS: entre as quatro paredes do verbo, entre as palavras, vale tudo.
precisdo voltar a beber... rs...

:-)

ErikaH Azzevedo disse...

De tirar o ar isso.
Escrever é um orgasmo...sempre!

bjos

Erikah

Luiza Maciel Nogueira disse...

muito bom mesmo!

"sentir as entranhas do verbo"

:)

bjs

Jorge Pimenta disse...

assis, assim se compreende esta torrente poética que não cessa de brotar de ti... 290? um por dia? chiça...
um abraço, poeta!

[ rod ] ® disse...

E ao gozo luz atinar!

Lara Amaral disse...

... e vale a pena assistir aqui da tela ;)

Tania regina Contreiras disse...

Nossa que hoje, Assis, tu me lembrou do Manoel de Barros, que AMOOOOO... E adorei isso aqui também.
Beijos

Insana disse...

tranzar...
orgasmo...

eu Gozei com suas palavras.

bjs
Insana

Gerana Damulakis disse...

Nossa, foi incrível essa simbiose.

ryan disse...

concordâncias libidinosas são necessárias.

J.F. de Souza disse...

fecundando versos... oraora...

1[]!

Primeira Pessoa disse...

isso aqui acabou virando uma suruba (rs).

e a larinha, voyeur, assistindo tudo da telinha.

seria a poesia o "new kama sutra"?...

belíssimo!

saio abraçando e beijando as palavras de todo mundo.

Mai disse...

E pelo jeito, tudo é prenhez, tudo é palavra que parteja verso.


adorei isso.

Lou Vilela disse...

Lembrei de algo:

Prenhez
(Lou Vilela)

Parir ou não,
que me importa?
A minha prenhez não é uterina.
Lambuza-me o falo emocional
a fecundar-me idéias.

Beijos

Cris de Souza disse...

Um gozo!