terça-feira, 2 de agosto de 2011

663 - repentino ávido para lumes do arrebol

há um assombro de impaciência
sob a tênue luz dos vagalumes
quando teus passos se deslocam
e fito fixo esse espelho que me és
destino inexorável, risco de tristeza

17 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Assis, meu querido: só a tênue luz dos vagalumes já garantiria um encanto de poema...
Maravilha absoluta, meu amigo,
grande poeta!
Abraço da
Zélia

Luiza Maciel Nogueira disse...

Entre sombras e luzes vagalumes nos entretantos piscam em poemas. Beijos.

Everson Russo disse...

A tristeza sempre se mostra presente...abraços de bom dia.

Analuz disse...

Sempre um belo sopro de ocasião...

Beijinho com admiração, poeta Assis!!

Celso Mendes disse...

O risco do traço reto e certeiro a determinados olhos pode sangrar.

abraço!

nydia bonetti disse...

Teu poema "lumiô" por aqui, Assis! Risco de alegria te ler... beijo!

MIRZE disse...

HAJA LUZ!

Beijo

Mirze

dade amorim disse...

Ávido de espantar o risco de tristeza.

Beijo beijo.

Vais disse...

vagalumes, vaga lumes, luzes que andam, brilho que voa, a imagem refletida que só nos chega se houver um fiapo de luminosidade que seja
um vagalume se dispôs a me guiar na descida da trilha escura

beijinho, Assis

Primeira Pessoa disse...

risco de tristeza?
rapaz, que trem forte. sim, o risco existe... lá, do outro lado, além das retinas... daquela.

dela.

beijão,
r.

Ribeiro Pedreira disse...

pisca-lume
risco triste
ímpar ciência.

Lara Amaral disse...

Mais impaciente me parece o passo que vaga o lume incerto.

Beijo.

Daniela Delias disse...

É tão estranho querer "comentar" e sempre terminar a leitura sem palavras...

Bjo

Rafael disse...

Muito bom, Assis! Fazia tempo que não vinha aqui...
Abraço

Jorge Pimenta disse...

nenhum corpo existe para viver no interior da sua imagem... ah, esse espelho de destino inexorável...
abraço, poeta!

Cris de Souza disse...

rudes vagalumes
velam
a escuridão

...

Ingrid disse...

luz triste a do vagalume..
beijo querido..