quinta-feira, 11 de agosto de 2011

672 - variação para cello e oboé em agreste rapsódia

tão sutil o visgo dessa sede
seiva que escorre em lábios

eu querendo florir a tua pele
voce esquiva em pas de deux

aprendiz estágio de purificação
corpo em sublimação de altura

não fosse o casulo que me cala
não fosse desatino ao derredor

10 comentários:

Everson Russo disse...

Não fosse tudo,,,eu me perderia em teu amor...abraços de bom dia.

MIRZE disse...

Meu Deus, que coisa mais linda!
É mesmo sutil o modo como nos toca o coração!

Bravíssimo!

Beijo

Mirze

nina rizzi disse...

gosto demasiado.
um beijo.

Dario B. disse...

Suave como um veludo macio. Abração, Poeta.

Cristal de uma mulher disse...

Mágicas metáforas onde se estuda o descompasso das letras magnificas

Um grande abraço

Bípede Falante disse...

Não fosse, não fosse, não fosse...
beijosss

Tania regina Contreiras disse...

Não fossem tuas palavras a dizer-me o que não posso, não sei, não saberia...
Beijos, querido!

Wanderley Elian Lima disse...

Se não fosse a flata de coragem...
Abraço

Ingrid disse...

sensação pura Assis..
mesmo como um balé..
beijos perfumados..

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"aprendiz estágio de purificação"
e nada é tão distante nestes tempos de desenganos