domingo, 14 de agosto de 2011

675 - poema desencontrado para gioconda ao arrebol

caiu-me o poema em ventania
eu que de ladainhas me repito
quero acoitar-me nos desvãos
encontrar a récita para assalto
e tirar verso do encantamento
que se desnuda no cílio casto
na linha dúbia deste entardecer

12 comentários:

Jorge Pimenta disse...

querido amigo,
entre viagens e ausências, por vezes as cortinas ciliares descerram-se e eu logo aproveito para espreitar a magia verbal que escorre da tua lira. a distância relativamente aos teus mil e um poemas é das poucas contrariedades que as férias me infligem :)
um forte abraço, poeta maior e até ao meu regresso!

MIRZE disse...

ASSIS!

O entardecer tem mesmo essa linha dúbia que desnuda cílios!

Magia é isso!

Beijo

Mirze

Evanir disse...

Muitas Vezes Deus Tira Alguem Que
Amamos Tanto.
Mais Esse Mesmo Deus Traz Alguem
Que Aprendemos Amar..
Por Isso NÃo Devemos Chorar
Pelo Que Nos Foi Tirado
E Sim ..Aprender A Amar O
QUE Nos Foi Dado ..
Nada Que È Nosso Vai Embora Para Sempre.
A Você Com Muito carinho um
feliz Domingo (DIA DOS PAIS)
Beijos No Coração.
Evanir.

Blog do Pizano disse...

e que a sua poesia sempre se repita
se replique ao vento
encantando os entardeceres

abs Assis

Fred Caju disse...

Eu que de elogios me repito, venho aqui te deixar mais um abraço. Grande Assis!

Everson Russo disse...

Esse entardecer de amor e versos,,,sempre belo,,,um feliz dia dos pais pra ti amigo...abraços...

Catia Bosso disse...

e do verso tirar uma condenação...

Absolvido!

Bjs

Eder Asa disse...

Todo cílio é casto...

Cris de Souza disse...

Gioconda sempre deu o que falar...

Parabéns!

Beijo no papai Assis.

Bípede Falante disse...

Nossa,Assis, caem tantas coisas com esse poema sobre mim!

Ingrid disse...

lindo encontro de beleza ..
beijos querido e também pelo dia de hoje.

dade amorim disse...

Místico e casto.
Beijo.