terça-feira, 4 de maio de 2010

204 - balada de sincera paixão

cuidadosamente espero que recomponhas
as frágeis e delicadas horas que te desejei
em meio ao fragor da ventania que dissipa
a nuvem incessante que habita meus olhos

sou eu um teu gentil ainda que atormentado
pela paisagem vil do corpo que me negaste
e neste instante dedico estas ternas palavras
para que não calem em mim os sentidos todos

16 comentários:

Mai disse...

Da vida que não vivi - imolo-me.
E aperto os olhos o mais que posso até ver-te novamente. Trazer de volta o corpo é como mobiliar o desejo.
O sacrifício é uma forma de vida.
cheiro

Mai disse...

Em alguma medida, esse teu belíssimo poema lembrou-me uma passagem de Cortázar.
outro cheiro

Zélia Guardiano disse...

Um mistério, para mim, essa alquimia que fazes com palavras! Coisa para iniciados...
Lindíssimo!

Um beijo

Lara Amaral disse...

Comparadas a palavras que tocam assim, as mãos são ainda inábeis.

Abraço.

Marcantonio disse...

Extático, quieto; sem nada profanar neste altar.

Abraços.

Tânia regina Contreiras disse...

Recompor frágeis e delicadas horas: ah!!!

Assis, venho agradecer a visita e parabenizá-lo pela qualidade de seu trabalho. Já cheguei e fiquei.

Abraços,
Tânia

nina rizzi disse...

eu não acredito que esta desgraçada te negou o corpo. eu que estava a reler minhas auroras de impressões surrealistas, fiquei com raiva de ainda ser nuvem e não poder ver o fogo. contei tudo pro julio ouvindo aquela canção da paixão desesperada.

ah, assis, "algo de dilacerante, e comovente, claro". meu mesmo. lembra?

meu beijo.

Primeira Pessoa disse...

toda paixão é sincera, quero crer.
e o amor, às vezes, não.

mais um gol, poeta.

Jorge Pimenta disse...

quem escreve assim jamais silenciará os sentidos... sejam quais forem.
um abraço!

Maria Vieira disse...

é de não parar de ler nunca. e ser sempre nova a paixão. pra ser. beijo.

Paulo Tamburro disse...

ASSIS, parabéns pelo texto.

eu escrevo, crônicas de humor e gostaria que você me visitasse, pois a crônica desta semana é:

"Afinal, o que tem por trás disso".

Venha tranquilo, aqui não encontrará pornografia nem nada que ofenda sua dignidade.

E humor para alegrar. Só.

Não conhecia seu blog e voltarei sempre.

Se gostar e quiser ser meu seguidor, passará a fazer parte de uma imensa família.

Estou esperando.

Certo?

Um abração carioca e fique com Deus e muita luz !

Denise disse...

Chegando e sentando
qualidade é algo dificil hoje num mundo tão cheio de quantidade.

parabens!
afagos seletivos

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Assis,
Em ti os sentidos todos, em mim (lendo-te e no mesmo ínterim ouvindo Roberto Mendes no youtube: quem passou o dia a vender zapatos, mereço) as migalhas de ouro, milhares delas, que me vêm de Santana, de feiras, sábados e domingos...

Abraço do maior apreço,
Pedro Ramúcio.

Gerana Damulakis disse...

"paisagem vil do corpo que me negaste":carga erótica e dramática de 1ª.

pablorochapoesias.com disse...

Amanhã talvez outro corpo igualmente desejoso bata à sua porta e lhe dê entrada. Assim é que se dissipam nuvens passadas!
Grande abraço!

Lou Vilela disse...

Maravilhoso, Assis!

Cheiro