segunda-feira, 31 de maio de 2010

231 - poema de chuva e arroio


no limiar das tuas tranças
ilumina-se o cômoro
ali onde a vista espalma
o repouso de nuvem
e mãos atordoadas
imperam soberanas
sobre a rala vegetação

14 comentários:

Vanessa Souza Moraes disse...

"mãos atordoadas".

Sentidos suspensos.

Marcantonio disse...

Como isso soa bonito: chuva e arroio. Caudal de sensações!

Abração.

Mai disse...

Poema de aconchego. Regaço de um veio ribeirinho que escoa entre montes as chuvas miúdas de olhos e lembranças.
Há um encaixe perfeito da face entre seios e ali, muito se contém.

belíssimo, Assis.

Tânia regina Contreiras disse...

Eta, Assis, como tu versa bonito e faz paisagem da beleza humana: tô aqui é esperando não 1001, mas trilhões de versos seus!

abraços,
tania

Lou Vilela disse...

Bela imagem, Assis! de se ver, de se tocar...

Beijos

Isabella Nucci disse...

Assis, a maneira como vc escreve seus poemas é muito interessante, pois além de nos proporcionar uma leitura suave também nos passa belas imagens!
Beijos.

Primeira Pessoa disse...

assis,
meus amigos resolveram transformar a poesia em belas fotografias.

depois, eu é que bebo...

Primeira Pessoa disse...

da série Spamizade:


ó,
o kledir aderiu ao blogspot. depois cê passa lá pra "desopilar".
é satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta...

http://blogkledirhome.blogspot.com/

beijão do
roberto.

Lara Amaral disse...

Poeta, o trançado, o penteado, é tão cheio de arrumação e embaraçamentos.
Tão bonito o que escreves!

=)

nina rizzi disse...

assis, hoje amanheceu chovendo na cidade-solar. e vc aqui, me chovendo pelas profundezas...

beijobeijo.

Jorge Pimenta disse...

"no limiar das tuas tranças
ilumina-se o cômoro
ali..." onde a vida começa e acaba!
um abraço, poeta!

Gerana Damulakis disse...

Belo belo.

Andrea de Godoy Neto disse...

"ilumina-se o cômoro
ali onde a vista espalma
o repouso de nuvem"

assis, como não ficar com essas palavras dançando na boca e na alma, feito borboletas dentro do corpo?

o roberto tem razão, é transformar poesia em bela fotografia...

abração pra ti

Mirze Souza disse...

"Mãos atordoadas imperam soberanas"

Bravíssimo!

Beijos

Mirze