domingo, 9 de maio de 2010

209 - Floração de abril II

Sou de desordem comum
Vivo de enumerar estrelas
E quando um verso acontece
Fico todo prosa
Acorde que se queda ao luar

14 comentários:

Jorge Pimenta disse...

em verso ou em prosa, assis, cada texto teu é uma pequena e renovada epifania. e floresce em abril, em maio, em junho...~
um abraço!

Insana disse...

Feliz dias das mães a sua mãe ...
mande um beijo da insana a ela plis

Insana

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Assis,
Quando um verso acontece (meu ou teu) também fico todo prosa, eu que também vivo de enumerar estrelas...
Desculpa, poeta, mas quando aflora um poema tão redondinho com esse teu de abril, dá inveja de assinar embaixo...

Abraço de admiração de maio em MI maior,
Pedro Ramúcio.

Fouad Talal disse...

maravilha assis!

Tânia regina Contreiras disse...

"Vivo de enumerar estrelas"... Nossa, se a gente pudesse poetizar sempre, a cada instante, poeta diz cada coisa que a gente gosta de ouvir!!! rsr

Abraços,
Tânia

[ rod ] ® disse...

Mire na luz estrelar que ficarás, mais ainda, imensamente ímpar. O mestre das palavras certeiras! Abs meu caro.

Júlio Castellain disse...

...
Que beleza!
Meu abraço.
...

Mai disse...

Iluminadamente afloram
versos de poesia toda prosa.
Você há tempos anda assim -
i n c o n t i n e n t e de poesia.

cheiros de brilhar

Marcantonio disse...

Porém, jamais prosaico, como bem se vê por aqui.

Abraços.

Lara Amaral disse...

Adoro seus acordes! Músicas lindas eles formam.

Abraço.

dade amorim disse...

E o encantamento desse acorde, sonata ao luar.

Zélia Guardiano disse...

Assis, querido
E quem, dentre todos os mortais, não ficaria prosa?
Belíssimo!
Grande abraço

Lou Vilela disse...

Uma belezura, meu caro! de se ler, de se ouvir.

Beijos

Gerana Damulakis disse...

Belo acorde. o "fico todo prosa" deu um encanto muito interessante ao poema.