sexta-feira, 15 de outubro de 2010

368 - Noturno para os teus caninos II


Como onda soberana carrego
A flor secreta do nosso abismo:
a solidão da palavra em tua boca

17 comentários:

Everson Russo disse...

A solidão da palavra é muito profunda....abraços de bom final de semana.

Mai disse...

A língua entre os dentes salivando o desejo e a espera.

Silêncio que mastiga quereres.

Belo e agoniado.

cheiro

Bípede Falante disse...

Assis, você cria imagens de acelerar a mente e o peito. Adorei a solidão da palavra em tua boca!!
bj

Lau Milesi disse...

Lindo, Assis, muito lindo. Dá vontade de dizer: "vá, fale...mostre esses caninos...:)"
Um abraço

Lívia Azzi disse...

Amor é uma relação abismal...

Um beijo!

Em@ disse...

é...o siLêncio no outro que nos acompanha, pode ser um abismo , mesmo!
beijo

Eder Asa disse...

Uma palavra só ou uma só palavra?
E o tão famigerado amor, deve ser isso, uma palávra solitária.

Abraço!

Cris de Souza disse...

esses caninos pegam de jeito...

beijo!

Luiza Maciel Nogueira disse...

e mais um dos seus diamantes

beijos

Daniela Delias disse...

Que bela metáfora, a solidão da palavra...diz tanto! Muitos beijos.

Mirze Souza disse...

Assis!

Esses NOTURNOS acabam comigo!

Chega a doer de tão lindo!

Beijos, poeta!

Mirze

Insana disse...

Uma triste solidao

bjs
Insana

Í.ta** disse...

"a solidão da palavra em tua boca".

aquela que não é dita. ou que não é ouvida.

a palavra que silencia.

tenho pensado muito nisso. sem chegar a lugar algum, o que é melhor ainda :)

tem música lá pelo um-sentir.

grande abraço!

Tania regina Contreiras disse...

Uau, que maravilha, Assis!!!!
Beijos,

Gerana Damulakis disse...

"Solidão da palavra em tua boca" é magnífico.

Lara Amaral disse...

Bom isso para a minha madrugada!

=)

Lou Vilela disse...

Espero, ao final deste ciclo, um belo livro. - Um relicário! :))

Beijos