quinta-feira, 28 de outubro de 2010

381 - Poema para espanto de menino no colo da manhã


No brilho da varanda cães pastoreavam o alvorecer
A vida vinha vindo de mansinho em flores e orvalho
Era quando madrepérolas interrogavam o horizonte
E eu fitava desatinado a existência que sorria no peito

23 comentários:

Pablo Rocha disse...

O amanhecer é uma das visões mais explêndidas a que temos direito. Seu olhar poético não deixou passar despercebido.

Abraços, Assis!

Mai disse...

E o menino se espanta por estar vivo e existir no colo da manhã.
Bendita poesia que é sol e que é colo em mais um dia.

cheiros de relva

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"E eu fitava desatinado a existência que sorria no peito" da poesia...

beijos e abraços,

Bípede Falante disse...

Assis, que desatino preciso esse de fitar o que se esconde sob o peito :)
bjs

Zélia Guardiano disse...

...Cães pastoreavam o amanhecer...
Que mais posso dizer, eu, pobre mortal, meu querido Assis?
Demasiadamente lindo!
Abraço apertado

Domingos Barroso disse...

O encantamento com a própria respiração
...

Forte abraço,
camarada Assis.

dade amorim disse...

Auroras que se encontram. "Madrepérolas interrogavam o horizonte" é ótimo. Lindo poema.
Um beijo pra você.

Cris de Souza disse...

" menino no colo da manhã "
essa imagem se aninhou no meu olhar...

me faz sorrir, Assis!

beijo, tão querido.

Malu disse...

Coisa mais gostosa de se ler , Assis.
Tem gostinho de alegria ...


BjO.

Jorge Pimenta disse...

dos cães às flores, passando pelo orvalho e as madrepérolas no horizonte, avisto terra, água e ar... do fogo? apenas a memória que arde no peito. maldição deja vue...
um abraço, amigo!

Lara Amaral disse...

Poema que nos preenche de tanta luz!

Beijo.

Júlio Castellain disse...

...
Abraço Assis.
...

Mirze Souza disse...

Assis!

A poesia aqui está transbordando!
Menino no colo da manhã!
Flores de orvalho!
Madrepérolas que questionam horizontes;

E a existência sorrindo no peito!

Nossa! Perde-se o fôlego!

Bravíssimo!

Beijos POETA! 1001

Mirze

Lau Milesi disse...

"Cheganças" acompanhadas de Sol, flores e orvalho sempre tocam o que tem sob o peito. Belíssimo! Mas uma pérola, poeta.

Um beijo, poeta Assis.

Wanderley Elian Lima disse...

Bem bucólica a cena.
Abração

Ingrid disse...

Vida no alvorescer.. dá para ver a cena..
beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Precisava nem prosseguir se não quisesse, Assis: um poema inteiro e belo já no título. Vc, nossa, vc é danado!!!!
Bjos

Gerana Damulakis disse...

Belo. Vc é 10!

Everson Russo disse...

Que esse colo de manhã sejam eternos...bom final de semana pra ti amigo..abraços.

Lou Vilela disse...

Uma poética repleta de espantos!

Cheiro

Úrsula Avner disse...

Olá meu caro Assis,

as imagens poéticas de seus textos são belas e impecáveis... Fiquei parada no tempo, tentando vizualizar as madrepérolas interrogando o horizonte... Lindo! Grata pelo carinho no seu comentário sobre o livro das doze "Marias". Um abraço.

Lua Nova disse...

Senti-me criança perante minhas primeiras descobertas inesquecíveis... lindo demais!
Assis, teus versos encantam.
Beijokas.

Í.ta** disse...

que construção perfeita, assis!

li em voz alta. achei mais perfeita ainda!

parabéns.

grande abraço!