domingo, 24 de outubro de 2010

377 - Sobre a genealogia das pedras e dos silencios


A pedra pousa no quintal a sua solene curvatura
Exala o anseio de chão e sobre o dorso crescem
O limo e o musgo de toda uma existencia
Espaço de espanto encantado
Onde dormem lesmas e silencios

18 comentários:

Ingrid disse...

Assis, tuas pedras são férteis como tuas palavras!
Um beijo.

Fred Caju disse...

Dada essa explicação entendo porque Raul via as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar.

Mirze Souza disse...

Assis!

A pedra é mineral encantado mesmo!
Amo a pedra e seus silêncios que falam.

Maravilha!

Beijos, poeta 2001

Mirze

Everson Russo disse...

Como as pedras que choram sozinhas no mesmo lugar...abraços de boa semana.

Zélia Guardiano disse...

Pedra fundamental: não precisa ser lançada, posto que já o foi, logo no início, quando o verbo era Deus...
É a pedra de que falas, amigo Assis!
Grande abraço!

Sandra Botelho disse...

Entre o limo nascem flores pequeninas e belas.
bjos achocolatados

Pablo Rocha disse...

E desde que o mundo é mundo foi assim. O poeta, como viajante vai onde os olhos comuns não conseguem ver.

Abraços, caro Assis!

Malu disse...

Assis ,


Sempre tão bem colocadas e sentidas suas palavras ...



Bjo e um Domingo de Paz.

Gerana Damulakis disse...

"Espaço de espanto encantado", a existência... Muito bom.

Lívia Azzi disse...

Sua genealogia das pedras remetou a uma brilhante ontologia das palavras...

Um beijo!

Lau Milesi disse...

Reflexivo,poeta.
Muito reflexivo.

Quando você diz:
"Espaço de espanto encantado
Onde dormem lesmas e silêncio".

Eu vejo: "o deslumbramento perante a vida". A semente de caracol se arrasta pelas pedras e desenha seu próprio caminho. :)

Como diz outro grande poeta, Manoel de Barros, "poesia não é para compreender, mas para "incorporar". :)
Beijo, poeta, e mil parabéns!!

Arnoldo Pimentel disse...

Muito lindo o poema, gostei muito doseu blog, já sigo, seu puder visite meu blog.

http://umcoracaoqueama.blogspot.com

Everson Russo disse...

Uma semana de muita poesia pra ti amigo,,,abraços...

Lara Amaral disse...

Nunca vi tanta vida numa pedra, creio que eu é que esteja no meio do caminho dela. Muito bom!

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"Espaço de espanto encantado..." A pedra da tua poesia!

um beijo, com sorriso!

Jorge Pimenta disse...

não imaginas, caro assis, como as pedras me dizem tanto...
ainda este fim-de-semana estive em duas das mais belas terras de portugal e, de ambos os lugares, tive de trazer uma pedra. com as pedras se delimita o caminho; com as pedras se caminha.
um abraço sentido!

Mai disse...

E me detive no silêncio das pedras onde mesmo assim, pelos musgos e lesmas há vida. Genial!
Pedras me encantam e esta é divinal.

beijo duplo

Lua Nova disse...

No caminho havia uma pedra... a pedra de Assis, a pedra angular, pedra viva, pedra mística.
Um poema encantador.
A foto tá muito boa, querido amigo.
Beijokas.