terça-feira, 7 de dezembro de 2010

421 - Para quando teu olhar cair no horizonte II

Tu me entregaste um por do sol em chamas
Enquanto eu investigava vestígios e sombras
Nunca houve entre seres espera tão infinda
Pois o que se inflamava era invento do vento
E eu ardia afogado nas águas do teu ventre

21 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Como sempre, romântico e subjetivo. Amei.
Grande abraço

Bípede Falante disse...

Ardia afogado e drenava o desejo, purificando o afeto que sempre será bem guardado em quem tem ventre.

Female disse...

O amor aquece, inflama.A paixão não permite que o fogo se apague.
Deixo beijos e tulipas

Júlio Castellain disse...

...
Que beleza!.
Abraços, Assis.
...

Ribeiro Pedreira disse...

no ventre, o sol se apaga e as sombras revelam vestígios de querer um olhar que não cai.

Maria Andrade disse...

o céu e o inferno do amor

José Vitor disse...

Profundo e gostoso. gostei

abraços!

Lara Amaral disse...

Sua poesia entregue nos faz parecer covardes.

Lindo!

Lau Milesi disse...

Poeta Assis,fico imaginando quando esse olhar cair no horizonte mil e um...

..."Nunca houve entre seres espera tão infinda
Pois o que se inflamava era invento do vento
E eu ardia afogado nas águas do teu ventre"...

"Duvidoodó" que alguém tenha escrito coisa tão linda.

É do ventre que vem a vida,poeta.

Beijos,poeta.Você é d+ !

Mirze Souza disse...

Assis!

Poeta bom em EXCELÊNCIA é assim: Incendeia nuvens, arde afogado em líquido amniótico, inflama um fósforo ao passar, e é o dono do vento.

Eis você, percebendo olhares no horizonte!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Luiza Maciel Nogueira disse...

apaixonados versos do sol em chamas, belo! Beijo

Dario B. disse...

É doce perecer assim afogado, poeta. Um abraço.

Carla Diacov disse...

tomei a liberdade de juntar


Luiza Maciel Nogueira c/ Dario B. disse...
apaixonados versos do sol em chamas, belo! Beijo doce à te perecer assim afogado, poeta. Um abraço doce liberto, apaixonado!

Cris de Souza disse...

tudo que assinas é belo...

do título ao infinito!

beijo, querido assis.

AC disse...

De se ficar a deglutir por muito tempo...
Gostei muito!

Jorge Pimenta disse...

os equívocos do fogo e os desvarios da água. as órbitas afastam-se do sol... inevitavelmente.
um abraço!

Ingrid disse...

que maravilha da espera infinda Assis..
.."ardia afogado nas águas do teu ventre"..
perfeito!
beijos.

Ingrid disse...

que maravilha da espera infinda Assis..
.."ardia afogado nas águas do teu ventre"..
perfeito!
beijos.

Mai disse...

Bola de fogo caindo em alto mar. Cometa rascante em mergulho.
Rápido e luminoso como no hoje, um amanhecer. tão bonito...

cheiros

dade amorim disse...

Um poema corajoso e verdadeiro. Apaixonante.

Bj

ErikaH Azzevedo disse...

Arder afogado nas aguas do ventre.

Tem como não sentir issso?
Sensual e forte demais...

Adorei.

Amor é esperar sim, pra depois fazer acontecer.

Bjos menino.

Erikah