domingo, 26 de dezembro de 2010

444 - Sob o espanto de uma possível caligrafia

talvez não tenha sido no ontem
que colhi as dádivas da tua lembrança
pois no barco que balouça cada vaga
antevejo os teus futuros olhares
e no silencio eterno de cada pedra
possamos desfolhar pétalas e distancias

21 comentários:

Everson Russo disse...

Lembranças que alimentam nossa alma,,,e são eternas petalas de nossos jardins...abraços de bom domingo e bela semana pra ti.

Zélia Guardiano disse...

Ah, Assis, poder desfolhar distâncias: cada uma que fosse descartada, traria para mais perto uma presença...
Lindo demais!
Abraço

nydia bonetti disse...

algumas possibilidades costumam causar espanto, assis. e não é bom? :) abraço!

Vanessa Souza Moraes disse...

Silêncio das pedras.

Pedras no silêncio.

Mirze Souza disse...

ASSIS!

A distância é uma das mais cruéis lembranças.

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Í.ta** disse...

fico aqui lendo somente os títulos de teus poemas,

e acho que eles formariam um poema muito bom

o/

abração!

ParadoXos disse...

Festas felizes, deixo
2011 abraços em prosperidade!

:-)

Heduardo

Eurico disse...

Caro Poeta,
teus comentários só me envaidecem.
Preciso me deter ao lê-los.
São profundos e poéticos.
Agora eu sei que tu me lês...

Poeta,
fica com meu abraço, minha admiração e meu pasmo diante de tua obra.

Domingos Barroso disse...

eis uma suave forma
de pousar sobre o invisível
...

camarada Assis,
forte abraço.

Geraldo de Barros disse...

que poema lindo, Assis! parabéns!

que a profundidade de suas palavras nos abra sempre novos caminhos

um abraço,
G

Wanderley Elian Lima disse...

Olá poeta
A lembrança de um futuro que não sabes se virá.
Grande abraço

Maria Andrade disse...

silêncio das palavras

Lou Vilela disse...

O título já é um espanto!
Lindo, Assis!

Cheiro

Jorge Pimenta disse...

escrever nas pedras é tão difícil... escrever as pedras... só para os deuses e alguns poetas. ousas, querido amigo?
espanto? ilimitado.
caligrafia? apenas o nome.
um abraço infinito!

dade amorim disse...

Lembranças do futuro.

Beijo, Assis.

Cris de Souza disse...

as pedras não mentem jamais...

Sissym disse...

Assis, eu tenho uma enorme curiosidade, sempre que faço novas amizades (atualmente) elas vão me visitar no Sem Reservas e justamente este post do Brigadeiro! kkkkkk
Por que será ?!?!?!

BEIJOCAS com sabor de ... brigadeiro!

Vais disse...

É o presente, Assis
e mesmo amanhã, quando virar um ontem
será um passado de um presente próximo

"desfolhar pétalas e distancias", arrebenta!

Eu vi, Assis, grata e fico feliz de fazer parte de seus blogues

A você e aos querid@s um 2011 cheio de alegrias poesias cantorias
beijo e abraço

Lau Milesi disse...

Muito fofo, poeta. Lembrei de um trevo de "quatro" folhas:
"Mal-me-quer"..."bem-me-quer"....
Parabéns! Sempre.

Um beijo.

Lídia Borges disse...

De um lirismo lúcido. Sublime!
"... desfolhar pétalas e distancias"
Também sei! Devagar como quem pensa.

Um beijo

Evandro Oliveira disse...

Lindo poema, " desfolhar pétalas e distanicas" isso me tocou profundamente.
O que é a vida senão caminhar fazendo isso?

Um forte abraço

wwww.sabordaletra.blogspot.com