quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

423 - improviso de encanto para radiola de ficha

o meu amor sonhou que inventava um blues
mas era triste a canção que parecia um vento
encapetado de frio vindo lá das bandas do sul

o meu amor sonhou que inventava um blues
e ficava na viola de repente inventando moda
arrebitando o nariz prá sentir cheiro de chuva

eu que nunca acreditei na previsão do acauã
farreei cego na varanda de tantos imprevistos
o meu amor sonhou que serenava uma aflição

22 comentários:

Mai disse...

Toda língua é um ouvido e eu estou daqui ouvindo, ouvindo, ouvindo.

Assis eu adorei a sonoridade em algumas passagens:
"...eu que nunca acreditei na previsão do acauã
farreei cego na varanda"

Isso é que é inventar moda.
genial!

cheiros

Bípede Falante disse...

Eu que vivo encapetada de frio e de ventos do sul, adorei o seu poema que feito o amor também serena aflições :)
beijo

Lou Vilela disse...

"Mas na tristeza da seca
Só se ouve acauã"...

Que possamos manter a capacidade de "sentir cheiro de chuva", assim como o amor (en)cantado.

Cheiro

Mirze Souza disse...

ASSIS!

Por não saber o que é "acauã", o que não tem importância, o bom mesmo é sonhar que inventa e sonhar que serena.

A farra é só sua!

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Ingrid disse...

que delícia de imagens Assis..
me transportei!
beijo.

André Brito Oficial disse...

uau...muiito legal seu Blog gosteii muiito, seus posts são muitos interessantes ^^
to seguindo vc...^^
espero sua visita tbm www.andrebritooriginal.blogspot.com.br

André Brito Oficial disse...

uau...muiito legal seu Blog gosteii muiito, seus posts são muitos interessantes ^^
to seguindo vc...^^
espero sua visita tbm www.andrebritooriginal.blogspot.com.br

Tahiane disse...

Quando chegar em 1001 poemas faz um livro : ]. Pra ternizar o feito...

lindo poema. blue poetry

Cris de Souza disse...

de violar o coração...

beijo, meu caríssimo!

homensdopantano disse...

cada sonho uma ilusão
num paraíso infinito etéreo
brilham doenças venéreas

Analuz disse...

Depois de um tempo ausente, volto a te ler...

Beijo de Luz!

Lara Amaral disse...

Depois da farra, a aflição. Nunca se é contente sem medo.

Que poema lindo!

Beijo!

Jorge Pimenta disse...

o meu blues sonhou que inventava um amor.
eu nunca acreditei nas previsões das aves...
abraço, poeta!

LauraAlberto disse...

o vento...
Como sempre, lindíssimo Assis!
Beijo
Laura

Sandra Botelho disse...

E tudo se transformou em uma bela sinfonia.
Bjos achocolatados

Malu disse...

Assis,


Lindamente blues ...


Bjo.

AC disse...

Um amor muito atento!

Abraço

Luiza Maciel Nogueira disse...

e viva o amor, vida longa ao amor!

beijos

Tania regina Contreiras disse...

Ah, acho que pela primeira vez li teus versos musicalmente. Isso dá uma música belíssima e eu...quase ouvi!

Beijão, Assis!

Wanderley Elian Lima disse...

Sempre bulindo com nossa imaginação.
Quase pedi "Um Tango pra Teresa"
Abração

Everson Russo disse...

Tudo que sonha o amor nos toca em acordes tristes o coração...abraços de bom final de semana.

Anônimo disse...

Dio Mio.
Il tuo amore è molto sensibile. E si è anche un poeta sensibile.Saluti.

poliannacaputtiwordpress.com