quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

448 - canto de alforria em beira de lagoa

meu desejo vivia acoitado no vão de duas pernas,
peras tuas que me embelezavam as mãos
e escorria coitado no sêmen de antigas bananeiras
quando o coito era sortilégio de brisas enluaradas
no tão à toa de vagar em visgo de tanta armadilha:
pássaros regem o penar no desengano das auroras

15 comentários:

Everson Russo disse...

Uma intensa forma de amar e sentir ao som de um novo canto...abraços de bom dia.

Analuz disse...

Olá, Assis...

Atualizei a leitura de teus versos...

Agradeço o sorriso deixado no Luz...

Um ano luminoso a vc...

Beijo carinhoso...

AC disse...

É sempre um prazer passar por aqui. Maravilha!

Abraço

Lau Milesi disse...

Belíssimo, Assis. Um dia desses caiu nas minhas mãos um trabalho de uma estudante de BH que falava sobre as metáforas picturais de Magritte.Lembrei agora ao chegar aqui,onde vivo dizendo que você passeia aburdamente lindo pelas metáforas. Reitero minhas palavras. Seu poema é uma tela de Magritte.
E o título é ma-ra-vi-lho-so. A palavra alforria é uma das belas do nosso vocabulário.

Aproveito para desejar a você muita inspiração e um 2011 cheiiiiinho de todos os melhores sentimentos.Os votos são extensivos à sua família. Obrigada por sua gentileza, por sua solidariedade, pela receita para mandar a doença embora (a danada ainda não foi) por sua amizade e por me levar a apreciar, como nunca, a poesia.

Um beijo.
Com carinho

Lau

Ingrid disse...

Que encanto de sensualidade a beira da tua lagoa..
Saudades daqui..
grande beijo com agradecimento pela tua companhia e palavras..
e um desejo que sigas em ótimo ano novo..

Malu disse...

Assis,



Feliz Ano Novo !


Bjo.

líria porto disse...

e é no "desengano das auroras" que a poesia acontece!
besos - feliz 2011!
besos

Mirze Souza disse...

Tadinhos dos passarinhos! Nada entenderam!.... será que entendi?

Beijos, poeta MIL!

Mirze

Lívia Azzi disse...

Canto em movimento... Senti a brisa dos ventos daqui.

Um beijo!

teca disse...

Como se essa brisa soprasse bem de pertinho... ah... que sombra fresca...

Beijos de FELIZ 2011!

Tania regina Contreiras disse...

...quando o coito era sortilégio de brisas enluaradas....eita, que gostei desse verso, Assis!

Ah, outro dia, Assis, me jogaram de chofre: "Pensa um poeta..."...Pensei vários..."Mas pensa um poeta MESMO..." reforçaram. O que seria "poeta mesmo"? Não sei, mas falei que pensei e pensei Assis. Tu é um poeta MESMO...sabia?
Beijos,e...(relutante...tenho resistência em acreditar que anos terminam...mas vai lá): Feliz Ano Novo pra ti Assis. Que chegues com mais 1001 poemas...que sejam 2002.

Anna Amorim disse...

Assis,

Assis,

Sabe nesta correria de final de ano uma das coisas que sinto falta desfrutar dos teus poemas. Ler tua
poética é sempre um prazer!

Quero retribuir tua visita no PALAVRA DE MULHER e dizer que a presença é o melhor presente que podemos oferecer aqueles que amam compartilhar.

Que em 2011 traga as inovações que deseja na tua vida!

Beijos,

Anna Amorim disse...

Assis,

Assis,

Sabe nesta correria de final de ano uma das coisas que sinto falta desfrutar dos teus poemas. Ler tua
poética é sempre um prazer!

Quero retribuir tua visita no PALAVRA DE MULHER e dizer que a presença é o melhor presente que podemos oferecer aqueles que amam compartilhar.

Que em 2011 traga as inovações que deseja na tua vida!

Beijos,

Jorge Pimenta disse...

"canto de alforria em beira de lagoa" - os lábios redondos reclamam as escamas de todos os peixes que perderam o lago circular onde enganavam os astros e emprenhavam as manhãs...
um abraço poético, caro assis!

Daniela Delias disse...

Belo canto...