domingo, 11 de setembro de 2011

703 - canção de bem querer para doce precipício

o lábio dela é brisa
sincero assovio
pluma
nunca dá vontade
de sossegar
o cheiro, a saliva

o lábio dela é brisa
pouso macio
recosto de nuvem
fonte
que nunca sacia

13 comentários:

Jorge Pimenta disse...

"o lábio dela é...
fonte
que nunca sacia"

a saciedade é a pior das formas de completude. continuemos a procurar, poeta!
um abraço!

AC disse...

Há precipícios que atraem irremediavelmente...

Abraço

Lídia Borges disse...

Doce, leve e lindo!...

L.B.

Ingrid disse...

boca-precipício em que te atiras sem medo..
belíssimo Assis..
beijos.

Everson Russo disse...

O lábio é o gosto bom que se quer experimentar...abraços de boa semana pra ti meu amigo.

MIRZE disse...

Linda canção!

....que nunca sacia!

Beijo

Mirze

Andrea de Godoy Neto disse...

Ah, os precipícios...
sempre tão mais tentadores do que as planícies, sempre envoltos em nuvens

tão bom o que nos faz nunca querer sossegar

beijo, poeta!

Zélia Guardiano disse...

Lindo, Assis!
De maciez inimaginável...
Abraço

Celso Mendes disse...

doce precipício para onde quer-se sempre atirar, insaciavelmente.

abraço.

Analuz disse...

lábio de brisa...
beijo alado

beijinho de fã, poeta Assis!

teca disse...

Que doçura... "pouso macio"...
Um beijo.

Eder Asa disse...

Rapaz, bonito de dar gosto!
Sabe... a faculdade não anda deixando tempo pra poesia. Isto é infelicidade. Vou reverter a situação...

dade amorim disse...

Nunca se deixe saciar.
Beijo.