terça-feira, 13 de setembro de 2011

705 - poema sem intenção nenhuma de acontecer

outro dia assisti um filme
em que bandeira aparece
fazendo café
bandeira de pijama

depois olha pela janela
vê a rua
já de paletó passeia
com aquele riso de pasárgada
cumprimentando as pessoas

bandeira na lida escrevendo
um poema
que não me foi possível ler
na velha máquina de datilografia
bandeira solitário entre os versos

depois que o filme acabou
pensei como seria bandeira
chegando ao céu
com aquele cortejo de anjos
em alumbramento

11 comentários:

dani carrara disse...

muito bonita esta "sem intenção nenhuma de acontecer", poema.

um beijo de bom dia.

Por que você faz poema? disse...

O poeta do castelo
vê o beco, a Glória, a baía,
a linha do horizonte.

O poeta do castelo
vê a Rua da Aurora
a Rua da União
a Rua do Sol
as ruas da sua infância.

O poeta do castelo
vê a Rua da Saudade.

MIRZE disse...

Acontece que bandeira está lendo seu poema e não pode falar. Chato, não é?

LINDO!

Beijo

Mirze

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) disse...

Assizaço,
Cê faz poema - mesmo sem intenção nenhuma de acontecer - e Bandeira entra no céu, sem pedirem licença...

Abraço com intenção de bênção,
Pedro Ramúcio.

Luiza Maciel Nogueira disse...

Manuel deve estar com um sorriso nos lábios nesse momento.

Beijos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Perguntas que não se pode responder
a não ser imaginando...Gostei e
sorri.Beijinho/Irene

dade amorim disse...

Os que não têm intenção de acontecer são em geral os melhores. E um céu com Bandeira não é um céu qualquer.
Beijo, menino.

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Assis
Até os anjos iriam fazer algazarra.
Abração

Rejane Martins disse...

o anjo moreno, violento e bom - brasileiro - trocaria guarda com o anjo sorridente - deve ter sido assim.

Jorge Pimenta disse...

tu, meu caro amigo poeta, não precisas de intenção para a fazer acontecer, ou não fosses tu próprio a poesia.
abraço vivo!

Ingrid disse...

a visão do próprio poema..
beijo querido..