quarta-feira, 28 de setembro de 2011

720 - poema de acalanto para a dona dos lilases

arquiteto de ofício inacabado
inventario na pele intempéries
sou refém da dona dos lilases

como a pedra em construção
espero nuvens para me fixar
neste sólido que desmancha

arquiteto de ofício inacabado
cultivo a altivez das pétalas
neste salto sem paraquedas

sou refém da dona dos lilases
dos intermináveis horizontes
do silencio que jaz o desatino

20 comentários:

dani carrara disse...

tanta coisa aí pra comentar
poruqe um poema leve
leva os da gente pra longe


beijo

dani carrara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dani carrara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiza disse...

também adoro os liláses Assis, azuis, turquesas, lilázes e aquele verde musgo escuro. São cores que acalmam, acho.

Tua poesia como sempre, anda divina!

Beijos

Zélia Guardiano disse...

A própria vida, arquitetura sempre inacabada, meu querido Assis...
Um deslumbramento os teus versos, amigo, grande poeta!
Abraço bem apertdao da
Zélia

Lau Milesi disse...

Sua poesia é linda, um deslumbramento,como diz a sua leitora Zélia. Estive fora daqui mas tenho todas elas. :)
Sei não... os reféns,no caso, são/serão seus leitores...e até o "1001" ...ou mais.:)
Um beijo pra você, poeta Assis.

Luiza disse...

Assis, será que eu poderia com a devida permissão de ti colocar uma poesia tua escolhida por mim (umas dessas do mileumpoemas) no versosdeluz na próxima terça? Gostaria muito, mas se não quiser num tem problema. Aguardo tua resposta.

Beijos

Celso Mendes disse...

Lilases inspirações faz um arquiteto de palavras nunca terminar de compor.

abraço!

MIRZE disse...

Só o título puro-amor, vale o poema!

Lilás é mesmo uma cor fascinante!

Beijo!

Mirze

Vais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vais disse...

poema mais bonito, Assis
acalanto, aconchego, ninar, um afago

"como a pedra em construção
espero nuvens para me fixar
neste sólido que desmancha"

e como indica a Lau, nós é que somos reféns dos mileum, :)

beijo

nina rizzi disse...

uau...

Daniela Delias disse...

Tão bonito isso de se deixar ser refém nesses termos...
Bj

Ingrid disse...

belíssimo embalar..
beijos perfumados

Tania regina Contreiras disse...

Li em sequência e com avidez alguns dos teus poemas para os quais eu estava em atraso. Um sequência de tão e tão belos poemas, menino! Tu é tão poeta que não consigo imaginar que deixe de sê-lo por um instante sequer nos teus dias.
Beijos

dade amorim disse...

Muito amor nesta lira!

LauraAlberto disse...

o raio da força da gravidade é igual para todos
e porque não para ti?
Beijo
Laura

LauraAlberto disse...

o raio da força da gravidade é igual para todos
e porque não para ti?
Beijo
Laura

Anônimo disse...

Lindo! ������

Anônimo disse...

I´ve kept all the words you said,in a box underneath my bed.I´ve kept mines too.
I´m well, althoug all the injustices and others peaces that appeared to bother me.
This is a little period of my book.
Thanks.
Chantal Aeropostale icecream in the beach .
Erase.