domingo, 8 de agosto de 2010

300 - Poema de intermitências sertanejas

o miúdo do mato cresce nas algibeiras,
vou desler mais coisas
e depositar minhas insônias

até onde sei o nunca mais
não gira no sentido horário

assim mesmo
vou esperar o canto da jia
ensimesmado de brisa e luar


POEMA PARA A POSTAGEM 300

EU SOU TREZENTOS
             Mário de Andrade

Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta,
As sensações renascem de si mesmas sem repouso,
Ôh espelhos, ôh Pireneus! Ôh caiçaras!
Si um deus morrer, irei no Piauí buscar outro!

Abraço no meu leito as milhores palavras,
E os suspiros que dou são violinos alheios;
Eu piso a terra como quem descobre a furto
Nas esquinas, nos táxis, nas camarinhas seus próprios beijos!

Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta,
Mas um dia afinal eu toparei comigo…
Tenhamos paciência, andorinhas curtas,
Só o esquecimento é que condensa,
E então minha alma servirá de abrigo.

15 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Assis, meu querido amigo e poeta

Trezentos poemas!
Trezentas vezes, com eles, me fizeste feliz... Sem contar outras tantas, em visita lá em casa...
Hoje o domingo está sorridente, por tua causa!
Parabéns!!!
Imenso abraço!!!

Wilson Torres Nanini disse...

Assis, um dos seus melhores deslumbramentos expostos! Bebo dessa brisa e desse que vc nos oferta, querido poeta!

Abraços!

nina rizzi disse...

assis, seus versos me levaram até o pantanal de manoel de barros, aos meus barros também.

ó, parabéns e muito pelos trezentos, que sejam trezentos mil e um. trezentos milhões e um. por todos, né. unanimidade a sua poesia.

amo-o.

beijos.

Tania regina Contreiras disse...

Coisa mais bela, Assis, sinto um quê do Manoel de Barros nas intermitências sertanejas e me delicio ainda mais. Belezura de poema esse 300...que venham muitíssimo mais que o mil e um, a gente tem que ir falando, que é pra vc não nos deixar belo dia sem poemas, ah não!
Bom domingo!
Beijos

Everson Russo disse...

Trezentos que em breve serão mil e trezentos....abraços de otima semana....

ParadoXos disse...

300 emoções num poema de palavras, dentro, muito bom!!

abraços

Luiza Maciel Nogueira disse...

:), lindo demais o mato, a brisa, o luar e até onde sei o nunca mais. Tudo lindo lindo lindo.

Ah e se pai for Feliz dia dos Pais!

Bjs

Ana SS disse...

belo poema, bela homenagem ao Mário de Andrade.
Coisa de gente decidida! Rs...

Jorge Pimenta disse...

caro assis, 300!? número redondo, sem intermitências.
um abraço, poeta!

Mirze Souza disse...

Lindo LINDO LINDO!!!!

Pena que só faltem 301. Mas se .....

Parabéns, poeta!

Beijos

Mirze

Lara Amaral disse...

"vou desler mais coisas
e depositar minhas insônias"
Lindo isso, Assis.

E adorei ver o Mário de Andrade aqui contigo.

Beijo.

Mai disse...

Um Quasar, coisa mais linda!
Desler coisas e a cada dia renascer em mais uma poesia.

lindo, querido.

trezentos cheiros

Gerana Damulakis disse...

Ao atingir o nº 300 e ao encontrar o poema de Mário de Andrade (poema que vive em mim) senti a importância do trabalho poético realizado aqui. Quero dizer parabéns com muita sinceridade, quero dizer da minha admiração pela sua obra e do meu entusiasmo ao acompanhar, dia a dia, tal construção.

Lua Nova disse...

300 poemas... e depois de tantas palavras cheias de significado e beleza, ainda estás ensimesmado de brisa e luar...

Isso garante outros 300...

Parabéns pela obra realmente encantadora...

Uma semana cheia de inspiração e cantos de pássaros...
Beijos.

Cris de Souza disse...

Tua poesia é raridade, enriquecendo-me diariamente.
Deixo aqui, a mais sincera admiração...

Beijos, caríssimo!